Rota das Capelas – Saros / Rangéis

Esta capela, de feição marcadamente renascentista, apresenta um retábulo, em pedra trabalhada, encimado por uma singela decoração com volutas, ladeadas por cabeças de anjos. composto por três nichos rematados por arcos de volta perfeita onde se encontram as imagens de Nossa Senhora com o Menino e de Santa Luzia, também elas renascentistas. O altar de madeira encontra-se relativamente bem conservado.  Nele teria tido lugar de destaque a imagem de S. Cristóvão, a quem foi dedicada esta capela, mas da qual se perdeu o rasto.

No arco de entrada está inscrita a data de 1667, data da sua possível reconstrução, visto que esta deverá ter sido mandada construir provavelmente ainda em finais do século XVI. A alusão à sua construção por Cristóvão Saro e sua mulher Maria de Aguiar não estará correcta, por quanto à data do enlace matrimonial destes, em 1621, já aquela existia.

É precisamente de 13/07/1618, o registo de óbito de Felipa Mateus, irmã de Cristóvão Fernandes, possivelmente o fundador da mesma, a qual aí foi sepultada. O mesmo aconteceu com Cristóvão Fernandes Saro, filho daquele, cujo registo de óbito de 27/11/1643 refere ter sido sepultado “na sua capella de Sam Cristovam que tem nesta igreja”, bem como sua filha, Maria de Aguiar, cujo registo de óbito data de 16/01/1666.
Conhecida por capela de S.Cristóvão, dos Saros ou dos Rangéis, terá possivelmente sido construída para servir de panteão familiar.

Já no séc. XVIII foi seu administrador Calisto Rangel Pereira de Sá, fidalgo da Casa de Sua Magestade Fidelissima “, com foro de fidalgo cavaleiro da Ordem de Cristo, em alvará de 7/8/1707. Trata-se de uma administração hereditária na medida em que este é neto de Margarida de Aguiar, descendente dos Saros e casada com Braz Rangel. Faleceu em 1763, encontrando-se sepultado na referida capela, assim como sua mulher, falecida em 1797. O mesmo veio a suceder a seus filhos, Bernardo Rangel Pereira de Sá, fidalgo Cavaleiro, falecido em 1826, Caetana Rangel Pereira de Sá, casada com Luís Vaz da Cunha, da Casa de Maiorca, falecida em 1823, e Leonor, falecida em 1836.

Deixe uma resposta