Em defesa do património

Se a pandemia que vivemos tem paralisado um grande número de colectividades, com destaque especial para as de cariz cultural, o mesmo não acontece com o Rancho Folclórico de Centro Beira Mondego que tem vindo a realizar um trabalho valioso em termos de preservação dos usos, costumes e tradições, os quais se têm vindo a perder ao longo dos anos.
Destaca-se, desta vez, a recriação da Romaria à Senhora da Saúde, da autoria do coordenador do rancho, Pedro Santos.


“Senhora da Saúde – Belide”, 5 de Agosto de 1908

A Encarnação e a Conceição irmãs, ambas ergueram-se cedo, mais cedo que o habitual. Hoje não foram ganhar o dia fora mas também não fizeram folguedo.
O pai, pequeno lavrador, disse-lhes no domingo último:
– Pois ó cachopas quarta-feira é a Sra das Neves, que vocês deste tempo prantaram o nome de Sra da Saúde. Se vocês que são as mais velhas quiserem ir eu não vos retiro. Mas também não vou com vocês. Mas não vão logo de manhã, vão só depois pra tarde.
– Pois sim Sr meu pai! Vamos pois e temos cautela. Ajuntamo-nos às outras que lá andam e vimos todas juntas.
– Pois! Mas também não é pra virem a altas horas da noute. Vocês tenham respeito.
– Sim senhora! A gente porta-se bem, com as primeiras a tornar a gente vem também.
Pois hoje, já ataram, carregaram e botaram na choupana no sarrado uma carrada de ponta de milho da terra dos serrados loureiros e á tapada foram buscar dois valentes feixes de erva p’rás vacas terem pasto. Encheram as pias com água fresca acartada da fonte do povo de mergulho.
Já bem trabalhadas, fizeram os cerca de oito quilómetros pelo calor com as chinelas na mão para as pouparem. Calhou bem, que assim os touros estavam à sesta no Rio Mondego e assim o monte está livre. E mais á vontade foram.
Chegaram era hora da sesta e o povo começava a juntar-se para assistir aos ofícios da Festa e ao Sermão, a igreja é pequena e elas já estavam com ela fisgada.
Com uns Reis que levavam, foram ver dos melões. “Ora vir à Sra da Saúde e não comer um melão. Assim será! Miséria a nossa…”
O povo estava calmo, pouco pó na rua, o calor era tanto, nem uma brisa, só algum alarido das mães com os anjinhos, seus filhos prometidos de anjos na procissão da Senhora. Birras e cansaço das crianças….. Compraram o melão e voltaram para trás ali perto do Pinheiro Manso, antes das Palmeiras do lagar.
Longe da confusão do Povo e das moscas dos gado. Os gandarezes trouxeram as éguas enfeitadas, as carroças dos burros, mulas e vacas engalanadas com colchas de seda.
Assim retiradas comeram o melão na sombra da oliveira ainda fizeram uma sesta e foram assistir à procissão desejosas que o toque se junte após a recolha da procissão e haja uma pandega, um baile… Que elas não vão voltar logo com os primeiros.
Trabalho há todos os dias, agora Sra da Saúde é uma vez no ano. Este ano foi assim, para o ano não sabem se podem tornar.”
Este ano, 2020 nada pode haver e a tradição já não é igual, os hábitos são outros.
Mas assim como a Conceição e a Encarnação foram muitas e muitos noutros tempos. No tempo em que o mundo girava ao jeito do Calendário Agrícola e do Calendário Litúrgico.
Fica desta forma a nossa lembrança a este dia.”

Concerto de Natal

Com a aproximação da quadra natalícia, assiste-se, quase em todas as localidades, a programações diversas, mas sempre ligadas ao acontecimento incontornável, no mundo cristão,que é o nascimento de Jesus.

Também na nossa aldeia, Santo Varão, à semelhança dos demais anos, irá ter lugar um Concerto de Natal, no dia 22 de Dezembro, a cargo da Filarmónica 15 de Agosto Alfarelense, na Igreja Matriz.

Aproveitando a quadra, a anteceder o referido concerto, terá lugar uma pequena cerimónia de apresentação do restauro da talha dourada da Igreja Matriz e que contará com a atuação do Coro Litúrgico da Imaculada Conceição de Tentúgal.

Contamos com a vossa presença!

Feira de S. Martinho 2019

Mês de Novembro, castanhas, vinho e S. Martinho!

É neste cenário que irá decorrer a tradicional feira de S. Martinho, nos dias 9 e 10 de Novembro próximo, em Santo Varão, organizada pela Liga de Amigos de Santo Varão.
Nela poderão os visitantes encontrar todo o género de artigos locais e regionais, incluindo os doces tradicionais, castanhas, nozes, jeropiga caseira e licores.
Os stands, a cargo das associações locais, também merecerão uma visita.
Também a Comissão da Festa de N. S. Amparo marcará presença com a tradicional tasquinha de comes e bebes, com uma ementa vasta, diversificada e apelativa.
O almoço/convívio de domingo, dia 10, contará com a presença dos santovaronenses e amigos que habitualmente nos visitam e que certamente não ficarão dececionados com o repasto a cargo dos já conhecidos e meritórios cozinheiros locais.
E, se mais razões não houvesse, certamente que estas não deixam de ser apelativas.
Assim o S. Martinho se entenda com o S. Pedro….

Laurentino Oliveira – medalha de mérito

A 8 de Setembro de 2019, dia do concelho de Montemor-o-Velho, em sessão solene que se realizou nos Paços do Concelho, o nosso concidadão Laurentino Nunes Oliveira, foi agraciado com a Medalha de Mérito Municipal Cultural da Freguesia de Santo Varão.

O Portal de Santo Varão felicita o homenageado e orgulha-se desta distinção de mérito atribuída a uma individualidade da cultura de Santo Varão.

O Mérito a quem o merece…

A Liga de Amigos de Santo Varão congratula-se pela atribuição da Medalha de Mérito Cultural, pela Câmara Municipal de Montemor-o- Velho, sob proposta da Junta de Freguesia de Santo Varão, ao santovaronense Laurentino Oliveira.

Homem ligado ao associativismo desde a sua juventude, tem vindo a desenvolver um valioso trabalho, ao longo de toda a sua vida, com entusiasmo, dedicação e muito sacrifício, em todas as associações locais. Sempre pronto a colaborar, não sabe dizer Não!

É, pois, de inteira justiça, este galardão que, em boa hora, a Câmara Municipal lhe atribuiu, dia 8 de Setembro, dia do Município, em sessão solene.

Ao Presidente da Assembleia Geral da Liga de Amigos de Santo Varão, o nosso abraço! Parabéns.

XXI Festival Nacional de Folclore/ Santo Varão

A identidade de um povo firma-se na memória colectiva que, passando de geração em geração, acaba por consolidar essa mesma marca identitária. Quando isso não acontece, deixa-se de ter referências e o sentimento de pertença a uma comunidade vai-se diluindo com o tempo até desaparecer por completo. É todo um património que se perde, muitas vezes de forma irreparável.

Daí, a importância de preservar as referidas marcas, quer conservando-as, quer “desenterrando-as” no caso da sua perda iminente, através de um trabalho aturado de pesquisa de fontes escritas ou orais ainda disponíveis.

E tem sido esse o trabalho que o Rancho Folclórico do Centro Beira Mondego vem desenvolvendo ao longo da sua já longa existência, possibilitando assim manter vivas as tradições, usos e costumes da comunidade santovaronense, consolidando assim a identidade local e por inerência a de todo o Baixo Mondego, onde estamos inseridos.

Por tudo isto, vale a pena assistir, no próximo sábado, dia 6 de Julho, a mais um festival etnográfico e nacional, que irá decorrer no adro da Igreja Matriz de Santo Varão.

Peça de teatro musical “A Menina Do Mar”

A Companhia profissional de teatro “ADN De Palco”, com sede em Santo Varão, leva à cena no palco do Centro Beira Mondego a peça teatral para crianças “A Menina Do Mar” de Sophia de Mello Breyner Andresen. A estreia está prevista para hoje, sábado, às 21:30 horas.

Estes espetáculos visam comemorar o centenário da escritora Sophia de Mello Breyner Andresen. De acordo com informação prestada à Revista Online de Cultura, Lazer e Viagens, trata-se de um “(..) espetáculo que faz reflexões sobre temas importantes: a saudade, a amizade, o sonho, o medo, a alegria, o imaginário, a Terra, o Mar, as estações do ano, a poluição, a reciclagem, entre outros. Uma história para crianças mas com uma mensagem para as pessoas mais crescidas capazes de entender que não devemos desistir dos nossos sonhos à primeira dificuldade. É um espetáculo divertido, sensível, repleto de aventuras, divertidas personagens com figurinos coloridos e um duplo cenário mágico. Tudo isto converte o palco num mundo de fantasia, música, luz, cor, fumo e até bolhas de sabão!”.

1ºFestival da Lampreia e do Galo, no CBM

Após o êxito que foi o Festival da Lampreia de Montemor-o-Velho, o Centro Beira Mondego aposta na modalidade, criando, na sua sede, em Santo Varão, o I Festival da Lampreia e do Galo, nos próximos dias 6 e 7 de Abril.
Aqui fica, pois, o convite para se deslocarem a esta simpática aldeia, no coração do Baixo Mondego, onde podem saborear estas iguarias. Para os menos apreciadores, haverá alternativas que certamente serão do agrado geral. Apareçam!

Tasquinha do CBM

Reportagem sobre a Tasquinha do Centro Beira Mondego de Santo Varão realizada pelo programa “Aqui Portugal” no âmbito do Festival do Arroz e da Lampreia de Montemor-o-Vellho (16 de Março de 2019).

Clique no seguinte link, seleccione o minuto 07:35 e veja a reportagem:
https://www.rtp.pt/play/p5288/e395509/aqui-portugal/730193

Festival do Arroz e da Lampreia de Montemor-o-Velho

Como já vem sendo habitual, irá decorrer entre 15 e 24 de Março mais um festival do Arroz e da Lampreia do concelho de Montemor-o-Velho.
E também à semelhança dos demais anos, o Centro Beira Mondego irá estar presente neste certame, centrado  nos produtos endógenos desta região, com enfoque no arroz carolino do Baixo Mondego e na lampreia. Com uma ementa variada e já afamada, esta associação convida os amantes e apreciadores destes acepipes a visitarem e sua tasquinha, cujas ementas se passam a divulgar.

lampreia 2019