Centro Beira Mondego em movimento…

Uma vez mais, o grupo de teatro residente em Santo Varão, ADN de Palco, atraíu a esta localidade pequenos e graúdos com mais duas sessões de teatro musical.

Esta atividade cultural, que está a dar nas vistas, foi alvo de notícia por parte do Município de Montemor-o-Velho, pelo que aqui deixamos o testemunho.

A imagem pode conter: 6 pessoas, pessoas a sorrir, pessoas em pé

Município de Montemor o Velho
No dia 17 de fevereiro, o teatro musical tomou conta do Centro Beira Mondego (CBM), em Santo Varão. Pela mão da companhia ADN de Palco, as sessões d’O Principezinho e de Pluft – o Fantasminha, encantaram pequenos e graúdos.
Teresa Roxo e Filipe Lima, fundadores de uma das mais recentes companhias de teatro da região – a ADN de Palco, estiveram à conversa com a adjunta do Presidente da Câmara Municipal de Montemor-o-Velho, tendo aproveitado o momento para recordar alguns dos projetos já realizados e para desvendar as próximas iniciativas.
“Atualmente a nossa residência, fruto de uma parceria com o CBM, é aqui em Santo Varão. Como temos a intenção de preparar um espetáculo que integre língua gestual portuguesa, vamos realizar uma aula iniciação no dia 2 de março, às 11h, no CBM. Em março, vamos estar também no Festival do Arroz e da Lampreia para desvendar um pouco do nosso próximo espetáculo musical, a Menina do Mar”, esclareceu Teresa Roxo.
Na ocasião, Delmina Leitão, ao desejar “os maiores sucessos” os jovens atores e aos seus projetos, saudou também “o dinamismo do CBM e a sua capacidade de continuar a ser um exemplo de promoção da cultura e da arte”.
Durante a tarde e com encenação de Diogo Carvalho, Teresa Roxo, Filipe Lima, Joana Biscaia, Catarina Abreu e Dinis Ludgero conduziram o público, com muita música e animação, numa tocante aventura cheia de peripécias, emoção e humor.”

A imagem pode conter: 2 pessoas, pessoas em pé e interiores
A imagem pode conter: 1 pessoa
A imagem pode conter: 5 pessoas, pessoas a sorrir, pessoas em pé e texto

Festival das Sopas do RFCBM : Mais um êxito

O céu invernoso, nublado e a ameaçar chuva, não dissuadiu alguns santovaronenses e muitos forasteiros de se deslocarem ao Centro Beira Mondego para saborearem uma quantidade apreciável e apelativa das tradicionais sopas da região, complementadas por um vasto leque de petiscos e doces regionais.

Com um salão a abarrotar de gente, o evento decorreu num clima de ameno convívio e confraternização, como vem sendo habitual na nossa aldeia.

Foi mais um Festival das Sopas; o VII Festival.

Cumpriu-se a tradição.

 

Rancho Folclórico do CBM – VII Festival das Sopas

Pela sétima vez, em Santo Varão, o Rancho Folclórico do Centro Beira Mondego vai realizar, no próximo dia 10 de Fevereiro, pelas 13 horas, o Festival das Sopas.

Como é habitual, os apreciadores poderão degustar uma variedade de sopas tradicionais da nossa terra e que vão da célebre sopa do lavrador até ao mais sofisticado caldo verde.

Está, pois, de parabéns o Rancho Folclórico por esta iniciativa, através da qual continua a contribuir para a preservação da cultura popular/local, na sua vertente gastronómica.

Santo Varão/Rescaldo do almoço solidário

No passado dia 27 de Janeiro, fez-se história na paróquia de Santo Varão.

O almoço solidário, amplamente divulgado, com o objetivo de angariar fundos para restauro da talha dourada do altar-mor da Igreja Matriz de Santo Varão, excedeu toda e qualquer expectativa. Foi num salão completamente lotado com 200 comensais que responderam ao apelo lançado pelo Conselho Económico da Igreja em colaboração com a Liga de Amigos, onde decorreu este almoço, num clima de autêntica solidariedade e serenidade. Conviveu-se, trocaram-se impressões com amigos que  quiseram comparecer, mesmo vivendo fora, mas que se dizem assumir como santovaronenses genuínos

Seguiu-se um momento musical com a colaboração da jovem santovaronense, Inês Rodrigues, terminando a tarde com um leilão, à moda antiga, de produtos oferecidos pela comunidade e algumas firmas e que reverteu igualmente para o mesmo fim.

Outras atividades se seguirão…

Comissão de Festas N.S.Amparo

A tasquinha da Srª Amparo

Integrada na Feira de S.Martinho, em Santo Varão, irá funcionar durante toda a duração da mesma,( 10 e 11 de Novembro) uma tasquinha a cargo da comissão de festas.

Os petiscos são convidativos, pelo que não será tempo perdido ir visitá-la..Vamos lá dar uma força!

Nela poderão saborear:

Leitão e respetivos miúdos                            petinga frita

pataniscas                                                      sopa à lavrador

rissóis                                                            dobrada

bifanas                                                         favas

pipis                                                             vinho, água pé e jeropiga

café

Feira/ Convívio de S.Martinho

É já nos próximos dias 10 e 11 de Novembro que se vai realizar a tradicional feira de S. Martinho, em Santo Varão. Nela poderão ser encontrados produtos locais e regionais, que vão desde as hortícolas aos doces e bebidas, assim como stands cativantes a cargo das associações e artesãos locais

Durante o período de duração da feira, funcionará a habitual tasquinha, a cargo da Comissão de Festas de N. S. Amparo, com petiscos de fazer crescer água na boca…

A culminar este evento, haverá no dia 11, pelas 13h, junto ao adro da Igreja Matriz, o almoço/convívio que, esperemos ser tão concorrido como nos anteriores anos. Desta feita, o conhecido arroz de pato à S. Martinho fará as honras da casa…

Tudo motivos para que nos façam uma visita…

Tempestade “Leslie” em Santo Varão

Abrimos uma galeria de fotografias no Portal para evidenciar a violência com que esta tempestade também se fez sentir em Santo Varão e aludir aos momentos de aflição que todos os habitantes vivenciaram na madrugada do dia 14 de outubro de 2018.

A passagem da tempestade Leslie pelo território português provocou 27 feridos ligeiros, 61 desalojados e quase 1900 ocorrências comunicadas à Protecção Civil. O distrito de Coimbra foi o mais afectado. A Figueira da Foz foi particularmente atingida, com avultados prejuízos materiais, nomeadamente em carros, habitações e estabelecimentos comerciais. O IPMA indicou que os cerca de 176 Km/h de uma rajada de vento na Figueira da Foz foi o valor até agora mais elevado registado em Portugal. (Fonte: Jornal Público).