VI Festival Gastronómico do Baixo Mondego

Após uma interrupção motivada pela situação pandémica que atravessámos, voltou à freguesia de Santo Varão mais um certame gastronómico, inserido na Feira da freguesia.
Vão marcar presença as várias associações locais onde os visitantes podem encontrar produtos locais/regionais, sendo que  o ponto alto será a gastronomia local, com variadíssimas iguarias, onde se destaca o já célebre arroz de cabidela e o conhecido arroz doce local. Para os apreciadores de enguia é só fazer marcação…
Apareçam e não se vão arrepender!

 

CBM – II Festival Gastronómico

Decorreu no passado fim de semana o II Festival Gastronómico do CBM, em Santo Varão.

Com a fama que tem vindo a granjear, o resultado deste evento não podia deixar de ser senão mais um êxito. A adesão foi grande, não só sob a forma presencial como também de takeaway, tendo acorrido apreciadores de várias partes do concelho e da região. Com uma ementa variada, que ia desde o arroz de lampreia, de cabidela, de feijão, até às apreciadas enguias, não esquecendo o já famoso arroz doce, tudo serviu para atrair convivas que, certamente não deram por mal empregue a deslocação até esta quase centenária colectividade.
A todos o CBM agradece, fazendo votos para que para o ano o III festival volte a ter sucesso e a atrair cada vez mais gente.
Santo Varão é uma aldeia hospitaleira que sabe receber bem quem nos visita. Apareçam.

Romaria à Senhora do Amparo

Perde-se no tempo a festividade em honra da Senhora do Amparo que, não sendo a padroeira da freguesia, é tida como tal. A época escolhida foi desde sempre a quadra pascal, duranta a qual em tempos idos se realizavam romarias que, partindo da povoação, se dirigiam ao Casal das Machadas, onde se situava e se situa a sua capelinha, erigida em finais de quinhentos ou inícios de seiscentos, como se pode constatar nos registos paroquiais. Reza a lenda que teria sido erigida em cumprimento de uma promessa feita em alto mar.
Foi, pois, no intuito de preservar esta tradição, enquanto memória colectiva do seu povo, que a Liga de Amigos de Santo Varão recriou há alguns anos uma dessas romarias com a participação do Rancho Folclórico do CBM:

 

ADN de Palco em Sintra

A ADN de Palco (www.adndepalco.com), companhia profissional de teatro sediada no Centro Beira Mondego, em Santo Varão, estará no Centro Cultural Olga Cadaval, em SINTRA, com “OZ , o Musical”!

Bilhetes à venda Ticketline:
https://ticketline.sapo.pt/evento/oz-o-musical-62395

A partir do clássico “O Feiticeiro de Oz” de L. Frank Baum, “Oz – O Musical” conta a história de Dorothy, uma jovem que vive no Kansas com os seus tios e o seu cão. Dorothy é levada por um tornado que transporta a sua casa para uma terra mágica além do arco-íris, a Terra de Oz. Em Oz, Dorothy é recebida pela Bruxa Boa do Norte que revela que só o grande e poderoso Feiticeiro de Oz a poderá ajudar a regressar a casa. Depois de calçar os encantadores sapatos de rubi, Dorothy viaja pela estrada dos tijolos amarelos em direção à cidade Esmeralda. Nesta inesperada aventura, Dorothy encontra uma Espantalha que deseja um cérebro para pensar, um Homem de Lata que deseja um coração para sentir e, por fim, um Leão que deseja ter coragem para enfrentar os seus medos. Todos eles anseiam chegar à cidade Esmeralda onde vive o grande Oz, a quem irão pedir ajuda para realizar os seus desejos. Como todos os desejos têm um preço para serem realizados, as personagens terão de derrotar a malvada Bruxa Má do Oeste.

“Oz – O Musical” é um espetáculo mágico e encantador que pretende divertir e emocionar toda a família, em que convida todo o público a ver “além do arco-íris”.

Dia Mundial do Teatro – 27 de março

A ADN de Palco (www.adndepalco.com), companhia profissional de teatro sediada no Centro Beira Mondego, em Santo Varão, celebra o Dia Mundial do Teatro com o espetáculo “Alice – O Musical”.

Este espetáculo estará em cena no dia 27 de março, domingo, pelas 17:00 horas no Centro Beira Mondego, em Santo Varão (Montemor-o-Velho). Os bilhetes do espetáculo deverão ser reservados, previamente, por telefone através de um dos seguintes contactos 967 236 518 / 910 031 365, via e-mail para adndepalco@outlook.pt, ou através das redes sociais, Facebook ou Instagram.

Um espetáculo para toda a família, esta obra “relembra a importância de sonhar dando espaço para cada um olhar para dentro de si e entender que pode ser o que e/ou quem quiser, porque nada é impossível. Segundo a psicanálise, quando sonhamos, todas as personagens do nosso sonho, são representações de nós próprios e neste momento, em que estamos descrentes com tantas coisas da vida, Alice vem para nos abraçar. É desta forma que abraçamos o público e passamos a nossa mensagem “SOMOS TODOS ALICE”, pois é dentro de nós que encontramos a magia de viver.
Um espetáculo mágico, encantador e talvez um pouco Louco que pretende divertir e também emocionar toda a família!”

A cultura do arroz no Baixo Mondego (parte III)

Estando ainda a decorrer o acontecimento “Coimbra Região Europeia da Gastronomia 2021”, apresentamos um pequeno contributo da Liga de Amigos de Santo Varão para o conhecimento da orizicultura na nossa região.

Segundo o parecer de alguns médicos do distrito de Coimbra, a planta do arroz era inofensiva; apenas a maneira de a cultivar a tomaria insalubre. Logo, a cultura deveria ser feita segundo preceitos higiénicos e observadas as disposições dos acórdãos municipais, já que a cultura  era fonte de grande riqueza nacional. Assim, da maior ou menor estagnação das águas dependia a abundância da colheita.

Concluem mais os médicos que a influência maléfica dos arrozais se estende a distâncias que podem variar de acordo com diversas circunstâncias.

Continuar a ler

II Festival Gastronómico

Não deixe de reservar a sua mesa para o II Festival Gastronómico, no Centro Beira Mondego, em Santo Varão.

Pode reservar para jantar no sábado (dia 9 de abril) e para almoçar no domingo (dia 10 de abril).

Este ano, pode ainda optar por lanchar nos dois dias do Festival, a partir das 17:00 horas.

Reservas: 967 959 510 | 926 514 158 | 927 433 852 | 914 205 587

A cultura do arroz no Baixo Mondego (parte II)

Estando ainda a decorrer  o acontecimento “Coimbra Região Europeia da Gastronomia 2021”, apresentamos um pequeno contributo da Liga de Amigos de Santo Varão para o conhecimento da orizicultura na nossa região.

Parte II

No caso concreto da freguesia de Santo Varão, ( à época com 320 fogos) o pároco da altura noticia que mais de 200 pessoas suas freguesas tinham dado entrada no hospital nos últimos dois anos com febres intermitentes e que naquela data lá estariam mais de 100, se aquele estabelecimento não tivesse restringido a admissão dos doentes. Mais acrescenta que na sua freguesia não se cultiva o arroz, mas que ao norte e sul dela se cultiva em grande escala e que todos afirmam provirem deste facto tantas doenças como as que se registam. De facto, nas consultas feitas, apenas encontrámos alusão a um único proprietário, de seu nome Joaquim Gomes.

A nota estatística enviada ao bispo pelo referido pároco, em 1883, aqui transcrita, é elucidativa do que se passava então. Parece que o governo terá sido sensível a estes argumentos pois que os decretos de 23/03/1882 e de 5/04/1882 acabam por proibir esta cultura no distrito de Coimbra.

Não tardaram, contudo, a surgir reclamações por parte dos orizicultores da zona, a quem interessava este cultivo, como é obvio, pelos elevados rendimentos que dele extraíam.  No concelho de Montemor, num total de 519 proprietários, no entanto, só reclamaram contra este decreto 76, no ano de 1882.

A pressão feita sobre o governo da altura, leva este a verificar até que ponto tinham fundamento as ponderações feitas sobre o assunto, pelo que foi criada uma comissão encarregada de redigir um relatório, após feitas averiguações às condições em que se fazia esta cultura.

As conclusões a que chegou a comissão nomeada pelo Ministério das Obras Públicas, por portaria de 16 de Setembro de 1882, traçam uma radiografia clara do problema.

Assim, contra a alegação feita por alguns proprietários de que em terrenos alagadiços outras culturas seriam impraticáveis, contrapõem os relatores que o problema do alagamento se devia muito especialmente à não limpeza das valas, que muitos proprietários não faziam de propósito para que a sementeira do arroz se pudesse continuar a fazer (.Continua)

A cultura do arroz no Baixo Mondego

Estando ainda a decorrer  o acontecimento “Coimbra Região Europeia da Gastronomia 2021”, apresentamos um pequeno contributo da Liga de Amigos de Santo Varão para o conhecimento da orizicultura na nossa região.

Parte I

A introdução da cultura do arroz na Península Ibérica, segundo alguns autores,terá sido feita pelos Árabes.

É no século XVII que encontramos as primeiras referências a esta cultura, nos campos do Baixo Mondego, a cargo dos crúzios de Coimbra.

Continuar a ler

Concurso de Presépios

Ainda que o espírito natalício, tão apregoado nesta quadra devesse permanecer todos os dias do ano, é neste período que os valores a ele inerentes veem à tona de água com mais parcimónia.

Aproveitando, pois, esta quadra e os referidos valores, a Liga de Amigos de Santo Varão lançou a ideia à comunidade de um concurso de presépios, via on-line.

Alguns foram os que apoiando a ideia, acederam a este convite. Outros, por desconhecimento ou desinteresse, assim não procederam.

De qualquer modo, a Liga de Amigos de Santo Varão, agradece a participação e até os incentivos recebidos, deixando aqui registados quer os presépios mais votados, quer todos aqueles que concorreram e que merecem também um lugar de destaque no nosso portal.

Um bom ano são os votos desta equipa,

1º lugar:

2º lugar:

3º lugar:

Todos os pressépios: