Rescaldo da Feira de S. Martinho

Decorreu em ambiente calmo e tranquilo,, no passado fim de semana, a tradicional feira de S. Martinho, padroeiro da freguesia de Santo Varão.

Os produtos expostos convidavam à visita, razão pela qual, alguns deles esgotaram logo na manhã de sábado.

Também a tasquinha da comissão de festas da Senhora do Amparo esteve sempre concorrida, ao cheiro do apetecível bacalhau assado ou do leitão regional.

O almoço/convívio foi o momento alto de domingo, onde se conviveu e se juntaram amigos e visitantes.

Encerrou a feira o sorteio de um bem recheado cabaz de Natal, que por coincidência ficou na aldeia.

A todos os colaboradores que de forma desinteressada deram o seu apoio, bem como ao tecido associativo local que emprestou o seu colorido à feira, o nosso agradecimento. A todos os que nos visitaram, bem hajam e voltem sempre.

Até 2023!

 

Feira de S. Martinho

À semelhança dos demais anos, vai ter lugar no próximo fim de semana, dias 12 e 13 de Novembro, a tradicional feira de S. Martinho, no Centro Beira Mondego, em Santo Varão .

Nela, os nossos visitantes poderão encontrar grande variedade de produtos locais/regionais, desde os célebres queijos do Rabaçal , jeropiga e aguardente caseiras, hortícolas frescas, fruta variada, até aos enchidos locais e doçaria regional. Poderá ainda deliciar-se com o famoso arroz doce local feito na hora.

No domingo haverá lugar para o almoço/convívio, onde não faltará uma sopa de legumes , um lombo assado com batatas a murro e migas e uma sobremesa composta do arroz doce feito na hora ou uma saborosa salada de frutas.

Tudo excelentes propostas para uma visita a esta aldeia, situada no coração do Baixo Mondego,

Apareça e não se arrependerá.

25º Aniversário do Rancho Folclórico do CBM

 

Tiveram lugar no passado domingo, dia 30 de Outubro, as comemorações do 25º aniversário do Rancho Folclórico do CBM, numa cerimónia a que estiveram presentes  não só um representante da Câmara Municipal de Montemor- o- Velho e todo o elenco da Junta de Freguesia de Santo Varão, como também representantes do tecido associativo da freguesia.

A anteceder a cerimónia, teve lugar um almoço de confraternização, encerrando a sessão a atuação do rancho anfitrião a que se seguiram o rancho folclórico da Carapinheira e o rancho típico de Esposade.

Parabéns ao RFCBM pelo trabalho desempenhado ao longo destes 25 anos em prol da cultura popular/local, da sua preservação e divulgação da nossa memória coletva.

Capela de Nossa Senhora do Amparo

Capela de Nossa Senhora do Amparo
Situada no Casal das Machadas, nos montes de Santo Varão, foi fundada por um particular de seu nome António Fernandes. É de época bastante recuada, provavelmente de finais do século XVI, tendo servido de panteão familiar.
Com uma área que ronda os 12 m2, apresenta uma fachada com porta central e duas janelas laterais, bem como uma torre sineira. A capela mor é precedida de um arco cruzeiro em aduelas de cantaria, formando um arco pleno. O teto de arestas é forrado a madeira, com caixotões sem decoração. O altar mor é composto de uma banqueta de madeira. Já o retábulo, bastante descaraterizado, apresenta uma estrutura em talha do barroco nacional, com colunas coríntias, e em cujo nicho central se encontrava a imagem de Nossa Senhora do Amparo, atualmente guardada na Igreja Matriz.
A ela está ligada uma lenda segunda a qual a sua construção teria na base uma promessa feita durante uma tempestade em alto mar, pelo seu promotor, ao invocar a proteção da Senhora do Amparo, razão pela qual esta imagem segura numa das mãos uma âncora.
A devoção a esta Senhora continua nos nossos dias e em moldes que não diferem muito das suas raízes, tendo as festividades lugar no domingo e segunda-feira de Páscoa.
Poderá ser visitada através de contato com a Comissão Fabriqueira da Igreja.
Para mais informação consultar a seguinte página:
https://www.santovarao.net/senhora-amparo/

Capilla de Nuestra Señora del Amparo
Ubicada en el Casal de las Machadas, en las colinas de Santo Varão, fue fundada por un particular llamado António Fernandes. Es de una época muy temprana, probablemente de finales del siglo XVI, habiendo servido de panteón familiar.
Con una superficie de unos 12 m2, tiene una fachada con una puerta central y dos ventanas laterales, así como una torre campanario. La capilla principal está precedida por un arco de crucería de duelas de cantería, formando un arco completo. El techo de aristas está revestido de madera, con casetones sin decorar. El altar mayor está formado por un taburete de madera. El retablo, poco característico, presenta una estructura en talla barroca nacional, con columnas corintias, y en cuya hornacina central se encuentra la imagen de Nuestra Señora del Amparo, actualmente custodiada en la Iglesia Matriz.
A ella se vincula una leyenda, según la cual su construcción se basó en una promesa hecha durante una tormenta en alta mar, por su promotor, al invocar la protección de Nuestra Señora del Amparo, razón por la cual esta imagen sostiene un ancla en una de las manos.
La devoción a esta Señora continúa en nuestros días y en formas que no difieren mucho de sus raíces, celebrándose las festividades el Domingo y el Lunes de Pascua.
Se puede visitar contactando con la Comisión Fabriquera de la Iglesia.
Para más información, consulte la siguiente página:
https://www.santovarao.net/senhora-amparo/

Chapel of Our Lady of Amparo
Located in the Casal de las Machadas, in the hills of Santo Varão, it was founded by an individual named António Fernandes. It is from a very early period, probably from the end of the 16th century, having served as a family pantheon.
With an area of about 12 m2, it has a façade with a central door and two side windows, as well as a bell tower. The main chapel is preceded by a ribbed arch of stonework staves, forming a complete arch. The groined ceiling is covered in wood, with undecorated coffers. The main altar is formed by a wooden stool. The uncharacteristic altarpiece presents a structure in national baroque carving, with Corinthian columns, and in whose central niche is the image of Our Lady of Amparo, currently guarded in the Mother Church.
A legend is linked to it, according to which its construction was based on a promise made during a storm on the high seas, by its promoter, when invoking the protection of Our Lady of Amparo, which is why this image holds an anchor in a of the hands
The devotion to this Lady continues in our days and in forms that do not differ much from its roots, with the festivities being celebrated on Easter Sunday and Monday.
It can be visited by contacting the Fabrication Commission of the Church.
For more information, see the following page:
https://www.santovarao.net/senhora-amparo/

Capela dos Saros / Rangéis

Capela dos Saros / Capelas dos Rangéis
Situada no interior da Igreja Matriz, de feição marcadamente renascentista, apresenta um retábulo, em pedra trabalhada, encimado por uma singela decoração com volutas, ladeadas por cabeças de anjos, composto por três nichos rematados por arcos de volta perfeita onde se encontram as imagens de Nossa Senhora com o Menino e de Santa Luzia, também elas renascentistas. Nele teria tido lugar de destaque a imagem de S. Cristóvão, a quem foi dedicada esta capela.
Mandada construir por Cristóvão Saro, data provavelmente dos finais do século XVI. Serviu de panteão familiar.
Poderá ser visitada aos domingos, conforme o horário da missa dominical ou por intermédio do representante da Comissão Fabriqueira da Igreja.
Para mais informação consultar a seguinte página:
https://www.santovarao.net/saros-rangeis/

Capilla de los Saros / Capilla de los Rangéis
Situada en el interior de la Iglesia Parroquial, de marcado estilo renacentista, cuenta con un retablo, en piedra labrada, rematado por una sencilla decoración con volutas flanqueadas por cabezas de ángeles, compuesto por tres hornacinas rematadas por arcos de medio punto donde se encuentran las imágenes de Nuestra Señora y el Niño y Santa Lucía también renacentistas. La imagen de S. Cristóvão, a quien estaba dedicada esta capilla, ocuparía un lugar destacado en ella.
Su construcción fue encargada por Cristóvão Saro y probablemente data de finales del siglo XVI. Sirvió como panteón familiar.
Se puede visitar los domingos, según el horario de la misa dominical o contactando con la Comisión Fabriquera de la Iglesia.
Para más información, consulte la siguiente página:
https://www.santovarao.net/saros-rangeis/

Chapel of the Saros / Chapel of the Rangéis
Located inside the Parish Church, in a marked Renaissance style, it has an altarpiece, in carved stone, finished off with a simple decoration with scrolls flanked by angel heads, made up of three niches finished off by semicircular arches where the images of Our Lady and the Child and Saint Lucia also Renaissance. The image of S. Cristóvão, to whom this chapel was dedicated, would occupy a prominent place in it.
Its construction was commissioned by Cristóvão Saro and probably dates from the end of the 16th century. It served as a family pantheon.
It can be visited on Sundays, according to the Sunday mass schedule or by contacting the Church’s Manufacturing Commission.
For more information, see the following page:
https://www.santovarao.net/saros-rangeis/

Capela de Nossa Senhora da Tocha

Capela de Nossa Senhora da Tocha
Situada no meio da povoação, foi mandada erigir no ano de 1661 por um particular, Francisco Jorge Floreado, junto ao seu solar que já não existe.
De pequenas dimensões, nela se encontra um altar com uma mesa em madeira e um retábulo construído em pedra de Ançã, da Renascença tardia, provavelmente da escola de João de Ruão.
O nicho principal, que alberga a imagem de Nossa Senhora da Tocha, de dimensões apreciáveis e ao estilo maneirista, é ladeado por duas colunas caneladas com capitéis coríntios. A ornamentação deste retábulo é composta por frontões triangulares e baixos-relevos com motivos geométricos vegetalistas e figurativos.
Classificada como imóvel de interesse concelhio, foi adquirida há relativamente pouco tempo, conjuntamente com o solar dos Rangéis de meados do século XVIII, por particulares que procederam a obras de restauro.
Para mais informação consultar a seguinte página:
https://www.santovarao.net/senhora-tocha/

Capilla de Nuestra Señora de la Tocha
Situada en el medio del pueblo, su construcción fue encargada en 1661 por un particular, Francisco Jorge Floreado, junto a su casa solariega que ya no existe.
De pequeñas dimensiones, tiene un altar con una mesa de madera y un retablo de piedra de Ançã de finales del Renacimiento, probablemente de la escuela de João de Ruão.
El nicho principal, que alberga la imagen de Nuestra Señora de la Tocha, de apreciables dimensiones y de estilo manierista, está flanqueado por dos columnas estriadas con capiteles corintios. La ornamentación de este retablo está compuesta por frontones triangulares y bajorrelieves con motivos geométricos, vegetales y figurativos.
Clasificado como edificio de interés municipal, fue adquirido hace relativamente poco tiempo, junto con la casa solariega de los Rangéis, de mediados del siglo XVIII, por particulares que emprendieron obras de restauración.
Para más información, visite la siguiente página:
https://www.santovarao.net/senhora-tocha/

Chapel of Our Lady of Tocha
Situated in the middle of the village, its construction was commissioned in 1661 by a private individual, Francisco Jorge Floreado, next to his ancestral home, which no longer exists.
Small in size, it has an altar with a wooden table and an altarpiece of Ançã stone from the end of the Renaissance, probably from the school of João de Ruão.
The main niche, which houses the image Our Lady of Tocha, of considerable size and in the mannerist style, is flanked by two fluted columns with Corinthian capitals. The ornamentation of this altarpiece consists of triangular pediments and bas-reliefs with geometric, vegetal and figurative motifs.
Classified as a building of municipal interest, it was acquired relatively recently, together with the mid-18th century Rangéis manor house, by private individuals who undertook restoration work.
For more information, please visit the following page:
https://www.santovarao.net/senhora-tocha/

Dia do Sócio

Decorreu, ontem, na Mata da Tapada, o almoço/convívio da Liga de Amigos de Santo Varão com o S. Pedro a ajudar, uma vez que a brisa que se fazia sentir proporcionou uma temperatura amena.

Uma rica e variada ementa, a que não faltaram, para além do estipulado, umas espetaculares pataniscas, uma excelente salada russa acompanhada de uns saborosos pastéis de bacalhau, um apetitoso pão recheado, bola de carne, pizza e muito mais iguarias, prenderam os convivas em são convívio que se prolongou pela tarde adentro. E tudo graças à generosidade dos participantes que fizeram questão de “requintar” o repasto.

A Mata, com os seus seculares plátanos, é um sítio fantástico para estas atividades. Pena é que as entidades competentes se demitam de salvaguardar a limpeza da vala, espelho de água atrativo para quem aí quisesse usufruir das suas múltiplas funcionalidades. Aqui deixamos um alerta nomeadamente `à APA ou a quem possa e deva estabelecer o contacto com este organismo.

A todos os amigos que se dispuseram a  aderir ao nosso convite, um muito obrigada. Para o ano haverá mais, certamente!

Rota das Capelas – Senhora da Tocha

Situada no meio da povoação, trata-se de uma pequena capela que foi mandada erigir no ano de 1661 por um particular, junto ao seu solar. Deste acontecimento nos dá conta uma inscrição gravada entre as volutas adossadas no frontão da porta principal, assim como uma inscrição no seu interior. Nela se pode ler: «Esta Santa Capela de N. S. da Tocha mandou fazer Fº Jorge Floreado e sua mulher Brites Aires toda à sua custa…»
De pequenas dimensões, nela se encontra um altar com uma mesa em madeira e um retábulo construído em pedra de Ançã, da Renascença tardia, provavelmente da escola de João de Ruão.
O nicho principal, que alberga a imagem da Senhora da Tocha, de dimensões apreciáveis e ao estilo maneirista, é ladeado por duas colunas caneladas com capitéis coríntios. A ornamentação deste retábulo é composta por frontões triangulares e baixos-relevos com motivos geométricos vegetalistas e figurativos.

Por sua vez os nichos laterais, de dimensões mais reduzidas, albergavam pequenas imagens de pedra, de S. Francisco e S. Lourenço. Do lado esquerdo do altar-mor uma porta dá acesso ao antigo solar, já inexistente. Esta família dos Floreados aparece ligada por laços de casamento e possivelmente familiares à dos Saros, uma vez que uma filha de Manuel Gonçalves Floreado, Maria de Aguiar, casa em 1621, com Cristóvão Fernandes Saro.

A Assembleia da Câmara Municipal de Montemor-o-Velho, em reunião efetuada a 27 de Abril de 1990, aprovou por unanimidade a sua classificação como imóvel de interesse concelhio. Atualmente foi adquirida, conjuntamente com o solar dos Rangéis, dos meados do século XVIII, por particulares que procederam a obras de restauro.

Tal como as outras capelas da aldeia, constata-se ter servido de panteão familiar. Dos vários descendentes do casal de fundadores, quase todos ingressados na carreira religiosa, o registo de óbito de 1717, de uma das filhas, Teresa Pimentel, dá-a como sepultada na capela, o mesmo acontecendo com uma sobrinha desta, Luísa Pimentel, herdeira da capela por morte de sua tia, sem descendência, cuja certidão de óbito data de 1761.

Será um filho desta herdeira, Suplício José Pimentel, que herdará esta capela, onde casará com Mariana Josefa da Silva e Sequeira, de Ansião, em 1756. Morre prematuramente, deixando apenas um filho, residente em Ansião, o qual certamente se terá desfeito, não só da capela, como do solar, pois nos inícios do século XIX já ela aparece na posse dos Rangéis.

Igreja Matriz

Por mero acaso, veio-nos parar à mão este documento, relativo à Igreja Matriz de Santo Varão, o qual não deixa de ser curioso, atendendo ao estado de degradação do exterior da mesma.

Portaria n.º 1500, autorizando a Confraria do Santíssimo da freguesia de Santo Varão, concelho de Montemor-o-Velho, a vender duas inscrições e aplicar o respectivo produto nas obras de reparação de que carece a igreja matriz da referida freguesia.

Publicação: Diário do Govêrno n.º 195/1918, Série I de 1918-09-09

Talvez que, tal como os nossos antepassados fizeram, fosse tempo de toda a comunidade unir esforços para “lavar a cara” à nossa Igreja Matriz, que bem necessitada está!…